Passeio Novo

1/0

Passeio Novo (Proposta)
 

Premissa política
Revolução da paisagem urbana e dos padrões de mobilidade urbana, com resultados concretos e incontestáveis em ciclo de 4 anos.

 

Conceito
Supressão total das faixas de estacionamento nas ruas, para uso alternativo dos espaços das vagas, tais como:

  • Calçadas alargadas: espaços públicos para convivência, circulação de pedestres, enterramento de fiação, mais áreas verdes

  •  Ciclovias


Fundamento econômico
PPP para construção e operação de estacionamentos verticais em áreas estratégicas no entorno das vagas suprimidas.

 

Obrigação do particular

  • Pagamento (parcial ou integral) de terrenos desapropriados

  • Construção e operação dos estacionamentos

  • Alargamento das calçadas e melhorias


Contrapartida da Prefeitura

  • Decretos de desapropriação

  • Alteração das regras de zoneamento e de construção

  • Normalização dos critérios (arquitetônicos e funcionais) para as novas calçadas e estacionamentos verticais (uso misto, comércio, corporativo)
     

Faseamento

  • Fase 1: todas as vagas de Zona Azul

  • Fase 2: todas as vagas das ruas que desembocam em estações de Metrô



Eliminação das vagas nas ruas


Pontos positivos

  • Mais espaços públicos para convivência e circulação de pedestres

  • Impacto positivo no fluxo de pessoas sobre o comércio

  • Mais ciclovias

  • Mais verde

  • Menos trânsito: mesmo efeito do Pedágio Urbano, mas com menos impacto de imagem para a Prefeitura:

    • Mudança de paisagem é imediata

    • Paga-se pelo direito de PARAR, e não pelo direito de CIRCULAR

    • Redução de congestionamento

  • Maior visibilidade ao comércio local

  • Incentivo à reestruturação de calçadas: enterrar fiação, aumento da iluminação
     

Pontos negativos

  • Perda de receita com vagas de zona azul (parcialmente compensada com ISS  eventual receita a ser alocada aos cofres públicos)

  • Custo para o usuário

  • Impacto negativo temporário para a Prefeitura: vagas na rua tendem a ser vistas como mais atrativas pelo usuário (localização próxima ao destino final) em benefício da melhoria na paisagem urbana, que só será sentida com o ganho de escala e implementação


 

Proposta de 2009 (Prefeitura)
 

Substituição gradual das vagas de zona azul por estacionamentos

Total de garagens: 64

Vagas: 25.600 (máximo)

Proposta: PMI

Distribuição das garagens em 10 lotes

Estimativas da Companhia São Paulo de Parcerias

Investimentos: R$ 300 milhões                                           ~R$ 12 mil por vaga

Receitas: R$2,4 bilhões                                                        ~R$18 por vaga/dia

Conceito: Concessão d Uso

Setor público disponibiliza áreas e setor privado investe e opera por 20 anos
 

http://www.prefeitura.sp.gov.br/portal/a_cidade/noticias/index.php?p=33742

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/trabalho/arquivos/SPP_Principais%20Projetos_2011_2012-1(1).pdf


 

Observações
 

  • Transferência da receita da zona azul, proporcional ao número de vagas construídas, duante o investimento e a construção dos estacionamentos (até a eliminação das vagas de zona azul) pode ajudar na viabilidade financeira do projeto

  • Necessidade mapear e identificar zonas de maior utilização de zona azul como aquelas em que a viabilidade financeira do projeto é mais elevada

  • Estimação de acceptable walking distance para cada região (quantas vagas de rua um estacionamento vertical é capaz de substituir):

    • Terreno (elevação), clima, tipo de uso (comercial, residencial ou relacionado ao trabalho), nível de “fricções” (cruzamento, semáforos)

  • Evitar especulação ao anunciar aquisição de terrenos passíveis de serem disponibilizados para o projeto

 

 

  • facebook
  • Twitter Round
  • googleplus
  • flickr

© URBEM - Instituto de Urbanismo e Estudos para a Metrópole